Samba um dia, samba sempre

Samba um dia, samba sempre

Zeca Pagodinho

Tout d'abord, un grand merci à Martha qui m'a bien bien aidé à trouver (et rapidement, en plus !!!) les titres des morceaux que je lui ai envoyés !

 

 

 

 

Site Officiel

Sa bio en portugais sur son site, sinon j'ai trouvé ça sur ce site : http://sambabresil.free.fr/

Zeca Pagodinho (Jesse Gomes da Silva Filho, né à Iraja le 4 février 1959)

 Si vous voulez écouter de l'authentique samba carioca, il faut écouter Zeca Pagodinho. Ses chansons pleines d'humour, de malice et de couleurs racontent d'une manière unique le quotidien du peuple brésilien.

Zeca Pagodinho est l'héritier de la tradition de la samba de roda, cette samba qui naît dans un bar ou chez un copain, avec les amis du quartier, autour d'une bouteille de cachaça.

Zeca Pagodinho est né dans la banlieue de Rio. Il grandit dans une ambiance de fête et de musique. Très tôt, il commença à jouer et à composer des sambas. Dans les années 70, il fréquentait les "rodas de samba" du groupe de carnaval "Cacique de Ramos". Ces rencontres animées avaient lieu tous les mercredis et réunissaient beaucoup de chanteurs et compositeurs de talent. Le jeune Zeca était connu pour sa capacité d'improvisation.

En 1981, il fut remarqué par la chanteuse Beth Carvalho, qui l'invita à enregistrer avec elle la samba Camarão que dorme a onda leva, une composition de Zeca Pagodinho et d'Arlindo Cruz. Peu de temps après, à 23 ans, il enregistra le disque Raça Brasileira, avec 4 autres jeunes sambistes: Jovelina Pérola Negra, Pedrinho da Flor, Eliane Machado et Mauro Diniz. Le disque fut un succès et lui ouvrit les portes d'une brillante carrière solo. Zeca est la preuve vivante que la qualité et la quantité peuvent très bien aller ensemble. Depuis 1986, il enregistre un disque par an et accumule les succès commerciaux (7 disques d'or et 5 de platine), sans jamais trahir la vraie samba carioca.

 

A VERA

 

A vera joguei com você... ganhei
Você chorou
Eu falei que o jogo era à vera
Eu falei que o jogo era à vera

À vera porque você quis me derrotar
Foi bola ou bulica você não soube ganhar
E nesse jogo que é perde ou ganha
Você com sua artimanha
Não conseguiu me vencer

Brincou com o meu amor virou chalaça
Esqueceu que quando é amor não passa
E agora chora, pudera
Eu bem que te avisei
Que o jogo era à vera
Você não acreditou, já era

Eu falei que o jogo era à vera
Você não acreditou, já era

 

 

Coração Feliz

 

Agora, estás colhendo
O que plantaste, amor
Levante as mãos
E peça ao bom senhor
Que lhe mande do céu resignação
Deixaste muitos corações desiludidos
Também me lembro já ter sofrido
Quando partiste sem dizer qual a razão
Eu fiquei triste, amargando uma paixão

Hoje a minha vida é assim
Tenho a flor, o perfume e o jardim
E paz que voltou em mim
Um novo amor
Me deu a vida
Que eu sempre quis
Meu coração pode dizer
Que hoje é feliz

Agora vai
Provar do fruto que plantou
Pois já não quero mais o teu amor

 

 

Deixa a Vida me Levar

 

Eu já passei
Por quase tudo nessa vida
Em matéria de guarida
Espero ainda a minha vez
Confesso que sou
De origem pobre
Mas meu coração é nobre
Foi assim que Deus me fez...

E deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Só posso levantar
As mãos pro céu
Agradecer e ser fiel
Ao destino que Deus me deu
Se não tenho tudo que preciso
Com o que tenho, vivo
De mansinho lá vou eu...

Se a coisa não sai
Do jeito que eu quero
Também não me desespero
O negócio é deixar rolar
E aos trancos e barrancos
Lá vou eu!
E sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Eu já passei
Por quase tudo nessa vida
Em matéria de guarida
Espero ainda a minha vez
Confesso que sou
De origem pobre
Mas meu coração é nobre
Foi assim que Deus me fez...

Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Só posso levantar
As mãos pro céu
Agradecer e ser fiel
Ao destino que Deus me deu
Se não tenho tudo que preciso
Com o que tenho, vivo
De mansinho lá vou eu...

Se a coisa não sai
Do jeito que eu quero
Também não me desespero
O negócio é deixar rolar
E aos trancos e barrancos
Lá vou eu!
E sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...

Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Deixa a vida me levar
(Vida leva eu!)
Sou feliz e agradeço
Por tudo que Deus me deu...(5x)

 

 

Pra Sao Jorge

 

Vou acender velas para São Jorge
A ele eu quero agradecer
E vou plantar comigo-ninguém-pode
Para que o mal não possa então vencer
Olho grande em mim não pega
Não pega não
Não pega em quem tem fé
No coração
Ogum com sua espada
Sua capa encarnada
Me dá sempre proteção
Quem vai pela boa estrada
No fim dessa caminhada
Encontra em Deus perdão

 

 

O Biscateiro

 

Doutor, não me leve pro xadrez
Pois é a primeira vez que entro nessa furada
Lá em casa não havia mantimento
Foi fraqueza do momento
Eu parti pro tudo ou nada

Dei um papo no dono da mercearia
Ele bem que podia resolver a situação
A resposta foi não e eu fui pra padaria
Mas também me negaram o leite e o pão
No açougue, onde o dono já me conhecia
Nem carne de segunda ele quis me fiar
Minha dor sem remédio foi pra drogaria
E também não quiseram me remediar

Sou biscateiro, doutor, eu sou honesto
Vai lá no morro ,doutor, saber se eu presto ou não presto

Circulava de um lado pro o outro pedindo "maleme"
Mas não encontrei, uma palavra amiga, uma mão estendida
Um auxílio na forma da lei
Não queria sujar o bom nome da minha família
Mas caí na armadilha, não me deram opção
E como já dizia minha velha tia
A ocasião é que faz o ladrão

Sou biscateiro, doutor, eu sou honesto
Vai lá no morro, doutor, saber se eu presto ou não presto

Os amigos da tendinha vão fazer um manifesto
Vai lá no morro, doutor, saber se eu presto ou não presto

Maria, minha patroa, vai correr atrás do resto
Vai lá no morro, doutor, saber se eu presto ou não presto

Mulher, dinheiro e viola é coisa que eu não empresto
Vai lá no morro, doutor, saber se eu presto ou não presto

Falar mal da vida alheia é uma coisa que eu detesto
Vai lá no morro, doutor, saber se eu presto ou não presto

 

 

 

 

http://www.deezer.com/fr/music/playlist/26424648

 



12/03/2009
0 Poster un commentaire

A découvrir aussi


Inscrivez-vous au blog

Soyez prévenu par email des prochaines mises à jour

Rejoignez les 42 autres membres